Mother & son

Mother & son

Porque é que existe um dia da mãe? Pois bem... porque elas são de facto o pilar! a grua, as paredes, o telhado e o recheio desta complexa e controversa coisa a que chamamos de personalidade. Elas moldam-nos, esculpem-nos e dão o brilho à pessoa que fomos, que somos e que seremos. Elas dão-nos tudo, ainda que para isso tenham de abdicar de muito. Por isso... far-se-há muita justiça quando celebramos o seu dia... que são de facto todos.

Este trabalho pretende retratar isto mesmo. A cumplicidade que se constrói desde cedo entre mãe e filho, as suas relações e interacções. A capacidade mútua que ambos têm para fazer de simples, os grandes momentos. Assim... sem cores, a preto e branco. Porque o foco é acção, o olhar e o sorriso de ambos.

Obrigado D & L.

Ana e Ricardo - wedding in Tavira

Marcos & Emilie: e-session

"Considero-me um daqueles inconsoláveis românticos antigos. Contudo, costumo dizer que não acredito em amor à primeira vista. O que existe sim, é um momento que se traduz em desejo. O desejo de conhecer alguém, saber quem é, o que faz, de onde vem... Como se chama. E foi isso que tu me fizeste com o teu olhar. Sem me aperceber, petrificaste-me, tiraste-me o chão dos pés e abalaste a minha vida. 

Já o Amor, o Amor vem depois. O Amor cria-se, constrói-se e solidifica-se com o tempo. E o tempo é tudo. Quem quiser tudo de uma só vez, então não está a agir e a sentir da forma mais ajustada. Querer tudo de uma só vez, reflecte a ausência de paciência, a carência de sentimento. O Amor é Tempo. É equilíbrio quando ele não existe, é protecção, é conforto, é coragem. Coragem para suportar as intempéries da vida ao lado de alguém. Porque é fácil ir embora; é fácil atracar o barco e pisar chão firme. O difícil é aguentar a tempestade em alto-mar e manobrar o navio quando todos querem desistir.

E no intermédio, está a Paixão. A Paixão que ilumina e que cega, que alimenta e que corrói e fere. Nela está o tudo e o nada. Está um fogo que arde por dentro e que nos dilacera, pelo bem e pelo mal. Nela está o desequilíbrio e a paz de espírito.

Estar disposto a aceitar tudo isto, é aceitar Viver e preparar-se para Amar."

Marcos Alfares